Por que eu quis definir VIRTUDE?

Atualizado: 20 de Dez de 2019



Queridos bibliófilos e queridas bibliófilas, bem vindas ao nosso canal de livros e escrita, LER É VERBO. Sei... sei que vocês são pessoas com muitas virtudes. Sei também que vocês possuem a disposição firme e constante para a prática do bem. Certeza absoluta que todos possuem uma boa qualidade moral e seguem por um austero modo de vida. Mas... não custa nada entendermos o significado da palavra virtude!


Antes de começarmos, gostaria de pedir para você se inscrever no canal. Imagine que o nosso canal é uma plantinha. E a cada inscrição uma gotinha de água ajuda esta planta ficar cada vez maior...


Comprei O LIVRO DAS VIRTUDES. Ele é uma coleção de textos, uma antologia, sobre disciplina, compaixão, responsabilidade, amizade, trabalho, coragem, perseverança, honestidade, lealdade e fé. Isso é basicamente o índice do livro. Só que o legal desse livro é que são vários autores, com vários textos sobre estes temas. Temos Carlos Drummond de Andrade, Érico Veríssimo, Esopo, Machado de Assim, Tostoi, Shakespeare, a Bíblia e por aí vai.


O vídeo de hoje não é pra falar especificamente deste livro, vou fazer um vídeo para isto, hoje quero falar simplesmente do termo VIRTUDE. Porque eu pensei comigo mesmo aqui na minha cabeça, o que é VIRTUDE?


E vou dizer que é uma palavrinha complicadinha de definir. Porque a definição básica dela é assim: Virtude. Substantivo Feminino. Disposição firme e constante para a prática do bem. Boa qualidade moral. Validade, valor. Tá legal... mas o que é disposição, moral e valor?


Bom, depois de muito pesquisar, cheguei a esta definição de VIRTUDE:


Virtude é um estado de espírito que, por um esforço da vontade ou pela força de caráter, inclinam o indivíduo à prática do bem. Ou, mais resumido: Virtude é a prática constante do bem.


E agora vamos de Aristóteles, segura a pedrada:


Sendo, pois, de duas espécies a virtude, intelectual e moral, a primeira, por via de regra, gera-se e cresce graças ao ensino - por isso, requer experiência e tempo; enquanto a virtude moral é adquirida em resultado do hábito. (...) Não é, pois, por natureza, nem contrariando a natureza, que as virtudes se geram em nós. Diga-se, antes, que somos adaptados por natureza a recebê-las e nos tornamos perfeitos pelo hábito.

O que o Sr. Aris quis nos dizer? Que a prática constante do bem é de duas espécies. Uma intelectual, interna, racional, e outra moral, que diz respeito aos costumes sociais, externa, social. Então temos que pensar o bem para, assim, praticá-lo. E ambas as formas requerem hábito. Ou seja, não nascemos com as virtudes dentro de nós, mas aprendemos elas pela nossa razão e praticamos elas em nossa sociedade.


Por isso, queridos amigos e amigas, vou fazer uma série sobre as virtudes. Para que entendêmo-las... pera aí... Para que entendamo-lo nós... para que a gente entenda racionalmente as virtudes e possamos praticá-las em nossa sociedade. Beleza? Então vamos ter vídeos sobre disciplina, fé, compaixão, trabalho, coragem e por aí vai! Não é ótimo?


Então estou devendo um vídeo sobre o livro das virtudes e sobre cada uma delas elencadas lá. E para que você não perca nenhuma atualização, já sabe, inscreva-se no canal e compartilhe. Dessa forma... poderemos, juntos, fazer uma sociedade melhor para todos nós.


É isso, um grande abraço, boa sorte e até a próxima, valeu

7 visualizações
  • YouTube
  • Instagram
  • Facebook
  • Twitter